23/01/2015

Inocente Demetria - 8º Capítulo


The Joule, Dallas, TX

Demetria revirava-se na cama repetidamente e acabou bunfando quando viu que eram duas da madrugada e ainda não tinha conseguido pregar olho. Cada vez que fechava os olhos vinha-lhe a imagem de Joseph sussurrando-lhe ao ouvido, fazendo-a arrepiar. Não queria permitir isso. Amaldiçoava-se por pensar nele e ao mesmo tempo perguntava-se como ele conseguia exercer tamanho poder sobre ela, tamanhas sensações.

Percebendo que não conseguiria adormecer com aqueles pensamentos na cabeça, resolveu levantar-se e tomar um banho quente, mesmo sendo de madrugada. Levantou-se da cama e caminhou preguiçosamente até ao banheiro da suite presidencial onde ainda estava hospedada. Estava cansada de ficar num hotel, mas o advogado de Jason, que agora era dela, ainda não dissera nada sobre sua futura casa. Estava esperando que todos os bens fossem postos oficialmente em seu nome para poder fazer a mudança definitiva. Agradecia pelo testamento acelerar o processo, pois sabia que poderia demorar muito mais.
Fechou os olhos ao sentir a água quente escorrer-lhe pelo corpo e deixou-se relaxar instantaneamente. Apesar de ter tido apenas um dia de trabalho, sentia-se cansada e sabia que seria assim apartir daquele dia. Aquela empresa vivia correndo e ela teria que se adaptar rapidamente para ser bem sucedida. Não seria dificil com suas capacidades de compreensão.
Capacidade de compreensão. Sua melhor qualidade e seu pior defeito. Desde pequena que era madura de mais para a idade que tinha e sempre cresceu mais rápido do que deveria realmente. Isso não a benificiou ao contrário do que muitos podem pensar. Na escola? Sim, tinha beneficiado bastante até. O professor explicava algo e ela logo entendia. Não precisava de grandes explicações para acompanhar um raciocinio lógico. Era até fascinante ver como uma garotinha de catorze anos assimilava facilmente a história da grande Revolução Francesa. Mas o fato de ter uma grande capacidade de compreensão não a ajudou a nível pessoal.
Tinha apenas dez anos quando viu e ouviu os pais discutirem pela primeira vez. Pensava ter a familia perfeita até que viu o próprio pai levantar a mão à sua mãe. Felizmente a agressão não chegou a acontecer daquela vez e a garotinha não viveu o pior dos pesadelos. Mesmo tendo conseguido ignorar os gritos e voltar para a cama, conseguia entender que algo de muito ruim estava acontecendo. E da mesma maneira qua sabia disso, também sabia que estava longe de terminar.
Todo o sofrimento que ela passou na adolescência só a fez compreender como a vida era realmente. Não precisou de ter idade adulta para se comportar como tal e não precisou de um apoio para seguir em frente. Tinha Selena, sim, mas não dependia dela para concretizar seus planos de vida. Não queria ninguém olhando por ela, cuidando dela. Queria ser ela a responsável por seus erros e por suas vitórias. Apenas ela. Desde aquela noite em seus plenos catorze anos que era assim. Mesmo tendo amigos, sabia que estava por conta própria e não ia deixar que isso mudasse. Sabia que tinha que lutar contra os fantasmas do passado, mas também sabia que conseguiria vencer e superar tudo o que a atormentava.

Magestic Incorporated, Dallas, TX

Era um novo dia e Demetria sentia-se ainda mais cansada do que no dia anterior. Tinha conseguido dormir algumas horas depois do banho que tomara para espantar os pensamentos, mas acordou mais cedo do que era previsto e já não conseguiu descansar mais nada. Sabia que devia estar com umas olheiras que já eram suas companheiras devido às noites que passava estudando na biblioteca da faculdade, mas não queria perder muito tempo se preocupando com isso. Quase não se notavam e sabia que poderia passar despercebida, menos por uma pessoa.
— Demetria, vamos ter que viajar para Itália ainda esta semana. Ficaremos por lá até semana que vem. — Falou Joseph entrando pelo escritório a dentro sem ao menos pedir licença. Atirou uns documentos para cima da mesa de Demetria e observou-a atento. — O que aconteceu com você? — Perguntou como sempre com um tom de arrogância na voz.
— Nada que seja da sua conta. — Retrucou sem paciência. Não queria saber de Joseph e nem de seus jogos. Só queria fazer seu trabalho sem ter que olhar pra cara dele. Já bastavam os pensamentos da noite anterior.
— A princesinha não dormiu bem foi? — Perguntou sarcástico. Porque ele se importava afinal?
— Desde quando Joseph perde a classe e se torna infantil? — Retrucou de novo olhando-o nos olhos pela primeira vez. Sorriu vitoriosa ao vê-lo ficar sem resposta, mas logo o sorriso se esvaiu ao vê-lo aproximar-se lentamente e apoiar-se na sua cadeira deixando o rosto perto, muito perto.
— Não me desafie Lovato. Você não me conhece realmente. — Falou com uma voz rouca e poderosa que fez Demetria estremecer da cabeça aos pés. — Eu tenho sido legal com você, mas ainda posso te deixar no chão como uma insignificante barata. — Murmurou roçando o nariz na pele frágil de seu pescoço.
Demetria arfou e tentou acalmar os batimentos cardíacos que aumentaram frenéticamente. Aquela frase trouxe memórias do passado que a deixaram perturbada e Joseph logo reparou o quanto Demetria estava ficando branca. Franziu o cenho e baixou-se, girando a cadeira para que ela ficasse virada de frente pra ele. Levantou sua mão e acariciou seu rosto carinhosamente, sentindo que ela começava a suar. Não entendia esta reação exagerada dela e muito menos a sua.
Chamou por ela mas a mesma olhava algum ponto fixo atrás dele. Estava totalmente perplexa e ele começava a questionar-se se teria exagerado nas palavras. Pousou distraídamente a mão aberta sobre a coxa dela e olhou para a mesma quando se deu conta.
Podia sentir o músculo firme por baixo do tecido da calça social que ela usava e podia perceber o quão bem sua mão assentava nela. Apertou-a levemente e sentiu sua dureza, ficando com vontade de apertar também a outra. Sentiu o olhar de Demi em si e rapidamente olhou pra cima, encontrando o olhar assustado e brilhante dela. Não se deixou abalar e perguntou baixinho.
— Você está bem? — Demetria assentiu levemente e desviou o olhar para a mão dele, ainda em sua coxa.
Joseph retirou sua mão rapidamente e logo estava de pé virando-lhe as costas e indo até à janela. Ficou em silêncio por uns minutos, se recuperando do que tinha acontecido e tentando entender o que fizera e porque fizera. Era óbvio que estava começando a sentir atração por Demetria. Ela era exatamente como ela.
Demetria respirou fundo e finalmente conseguiu se acalmar depois que ele se afastou. Ainda podia sentir um formigamento em sua coxa e isso estava sendo estranhamento bom. Quando Joseph apertou sua perna foi como se tivesse sido um ativador ao sangue em suas veis. Podia sentir-se aquecer por dentro e se antes estava pálida agora com certeza estaria vermelha de vergonha.
Ainda estava um pouco perturbada pelas lembranças da noite que supostamente devia ter sido a mais especial de toda a sua vida e por isso voltou a respirar fundo, concentrando-se no assunto que levára Joseph até seu escritório.
— Itália? — Perguntou depois de se assegurar que poderia falar com firmeza.
Joseph pareceu despertar de seus desvaneios e quando se virou para encará-la, Demetria pôde ver que ele tinha voltado a ser o mesmo homem arrogante e pretencioso que conhecia. O olhar carinhoso que recebera dele por alguns momentos tinha desaparecido por completo e ele voltára a assumir a postura firme de um deus.
— Sim. Vamos para Florença. Estamos indo para uma reunião que irá selar a colaboração entre a Magestic e a RG e depois disso teremos um baile em comemoração. Eu terei que ficar mais uns dias na cidade depois disso. Você poderá voltar ou… — Fez uma pausa e desviou o olhar do dela. — Pode ficar por lá e aproveitar para conhecer um pouco a cidade.
Demetria encarou-o e só quando o viu olhá-la de volta é que a ficha realmente caiu. Eles iam para Florença. Na Itália! Demetria sempre gostou da cultura Italiana e sempre quis visitar o país, mas as condições nunca lhe permitiram realizar o sonho. Ela estava a ponto de realizar um de seus maiores sonhos e o mais estranho de tudo isso era que teria Joseph ao seu lado.
— Florença. — Repetiu num sussurro, agora sorrindo timidamente. — Está falando sério?
— Eu nunca brinco quando o assunto é trabalho. Pensei que já soubesse disso. — Respondeu prontamente.
— Claro. É só que... É Itália! — Falou tentando não parecer demasiado boba.
— Não entendi a surpresa. — Disse olhando-a confuso.
— Joseph, eu nunca saí do país. — Explicou. — Vai ser... Interessante. — Disse por fim.
— Claro, já devia esperar por isso. — Suspirou. Voltou a aproximar-se da secretária de Demetria e sentou-se na cadeira, de frente pra ela. — É assim que vamos fazer: iremos apanhar o jato privado da empresa na quinta-feira de manhã e chegaremos lá na sexta de madrugada. Assim que aterrarmos, iremos diretamente para o hotel em que vamos ficar hospedados e iremos descansar para mais tarde comparecermos à reunião com os futuros colaboradores. Na noite de sábado teremos o baile, algo chato que tem haver com máscaras e tradição Italiana. Depois disso terá tempo livre até quarta-feira, antes e voltamos ao trabalho.
— Um baile. — Falou. Tinha-se perdido assim que ele dissera esta palavra. Nunca tinha ido a um baile. Nem na escola e nem na faculdade. Quer dizer, o único baile escolar ao qual se tinha atrevido a ir não tinha acabado bem e por isso Demetria preferia não se lembrar dele. Tinha sido motivo de piada e tinha acabado a noite a chorar que nem uma condenada.
— O que tem o baile? Nunca foi a um? — Perguntou surpreso. — Não vai ser nada de mais. Não precisa se preocupar. É importante que saiba o nome dos sócios quando eles vierem até você para cumprimentá-la, mas eu posso ajudar nessa parte.
— Como? — Perguntou interessada. Como ele ia fazer isso? Fazendo-a decorar todos os nomes que precisava saber?
— Ficando perto de você a noite inteira. — Explicou olhando-a nos olhos. Ele tinha um estranho brilho no olhar que fez Demetria querer sorrir. Ela não o fez.
— Perto de mim... A noite inteira. — Repetiu mais para si mesma do que para ele. — E sua acompanhante? Vai abandoná-la? — Perguntou. Com certeza Joe levaria uma mulher bonita e com classe para o acompanhar nesse baile. Povavelmente levaria uma Italiana bronzeada e de corpo avantajado. Esse pensamento deixou-a incomodada e isso a surpreendeu. Viu que Joseph revirava os olhos e ficou atenta ao que ele ia responder.
— Meu par vai ser você Demetria. Nós vamos juntos. Você será minha acompanhante, não outra mulher.
Demetria, ouvindo-o dizer a mesma coisa em três formas diferentes, acabou desviando o olhar do seu e ficou se perguntando se queria aquilo. Seria a primeira vez que sairía com um homem em anos e já estava ficando nervosa por antecipação. Não saberia o que dizer, o que vestir e muito menos como agir naquele meio social. Ficava mais nervosa ainda ao pensar que o homem era Joseph, um homem maduro e arrogante que a desprezava. Ele era o tipo de homem que ela odiava e teria que ir com ele num baile, a noite inteira. Repetiu as palavras dele em pensamento e finalmente apercebeu-se que ele a tinha tratado como mulher. Achava que ele nunca o fizera antes e sentiu-se contente por ele o ter feito.
— Já não me vê mais como uma garotinha que vive no seu mundo de fantasia? — Desafiou se arrependendo em seguida.
— Suas coxas são um novo detalhe que fez minha opinião mudar um pouco. — Retrucou fazendo-a corar.
Joseph sorriu vitorioso quando a viu ficar vermelha de vergonha e logo se levantou encaminhando-se à saída sem se despedir. Demetria respirou de alívio e deixou a cabeça relaxar nas costas da cadeira. Muita coisa tinha acontecido em pouco tempo dentro daquele escritório e ficou confusa pelas atitudes de Joseph. Nunca viu alguém ter tantas mudanças de humor em apenas trinta minutos de conversa. Estranhou quando ele foi carinhoso com ela sendo que a tinha desprezado segundos antes e estranhou ele ter tanta paciência para lhe explicar o roteiro principal da viagem à Itália. Se fosse o Joseph que ela esperava encontrar, ele teria simplesmente dado o recado e ela teria que procurar ajuda para saber como iria ser a viajem, a reunião e o baile.
Novamente lembrou-se do baile e novamente ficou nervosa. Tinha apenas dois dias até quinta-feira e não tinha todo o tempo do mundo para se preparar para algo tão grande. Aquele não seria um simples baile e isso não se referia a Joseph ou ao fato de ser em Florença. Seria o primeiro evento oficial em que ela comparecia como presidente da Magestic Incorporated. Ela era a neta de Jason Lovato e isso aterrorizou-a por segundos. Mesmo não querendo mudar totalmente a sua vida, entendia agora que ela era obrigada a isso e ao mesmo tempo entendeu que não se sentiria bem consigo mesma se não o fizesse. Ouviu o telefone tocar e sorriu ao ver a foto de Selena no ecrã. Desta vez ela precisava de ajuda, e sabia que podia contar com a melhor amiga.

1 comentário:

  1. amei o capitulo,eu sou nova aqui e amei a sua FANFIC

    ResponderEliminar